segunda-feira, dezembro 08, 2008

Lobo Solitário





Eu simplesmente não tenho palavras para descrever essa obra-prima do mangá!


Nunca havia lido mangá, diga-se de passagem.



Mas, já que a coleção inteira foi adquirida pelo meu marido, como uma viciada em leitura, não pude deixar de experimentar.



Eis que em menos de 3 meses, li os 28 volumes, cada vez mais vagarosamente, com medo de terminar.



Aprendi e conheci coisas impressionantes, belas e brutas sobre o Japão antigo, na época do xogunato de Tokugawa.



Todas as edições possuem glossário, o que aumentou o conhecimento poliglota desta que vos escreve... rs


A número 12, sofreu um acidente comigo no metrô, em 07/Nov/2008... ficou meio caidinha, mas quem levou pontos fui eu.


Que sorte estar acompanhada por Itto Ogami! Nem chorei.



Se o mínimo que esta saga pode dar ao leitor é uma mudança de comportamento, e reflexão de valores, (não precisa ler todos para sentir isso) a obra já terá valido à pena.



Se cada edição fosse sem nexo, apenas encheção de lingüiça ( O QUE DEIXO CLARO, NÃO FOI!!!) teria valido cada quadrinho, cada centavo e minuto gasto, para chegar ao último e ao seu final, que me fez chorar sentida.





Não por um ou outro personagem. Mas principalmente por saber que nada que veio depois, será melhor do que esta magnífica obra, de tirar o chapéu!



Roteiros de Kazuo Koike


Artes de: Goseki Kojima.




Apenas um detalhe: não leiam as introduções. Infelizmente estraga um pouco as histórias, revelando coisas que não deveriam!






2 comentários:

Vani disse...

adorei a dica de leitura, tenho um leve preconceito com mangá! rs

bjus

Belcrivelli disse...

(Ressurgindo das cinzas) Demorei mas voltei! Tive um fim de ano terrível no trabalho (ufa!), mas agora estou em recesso e só volto dia 5. Aproveitei para passar para deixar um abraço e desejar feliz ano novo. Um ótimo 2009!
Sobre o seu post, ainda não li esse mangá, mas estou bastante curiosa ( você não é a 1ª a elogiar).